domingo, 7 de novembro de 2010

19 comentários:

Carmo disse...

Excelente forma de fazer poesia!

Quanta sensibilidade!

Um abraço e boa semana

blog do BOCALINI disse...

belo pensamento, pessoa iluminada por suas caracteristicas, admirando seu talento ser teu amigo.

abraços , etore.

eterno sonhador.

Aмbзr Ѽ disse...

um alimento, com certeza.

http://terza-rima.blogspot.com/

Mgomes - Santa Cruz disse...

Ola amigo: ate os amendoins servem para fazer poesia.
Um abraço
Santa Cruz

OUTONO disse...

Um desafio...TOTAL!
Parabéns!
Um abraço!

Justine disse...

A poética no nosso quotidiano e na nossa sobrevivência...
Ãbracinho, o tal!

Marta Vasil disse...

Há quanto tempo aqui não vinha. Quase te ia perdendo.
Meaculpa!
E agora lancei-me num desafio,a salivar,enquanto percorria os teus amendoins.
O meu primeiro olhar- Soberba forma de expressão!
Permite-me perfurar a casca (protecção) e pular lá para dentro desta série de amendoins e deambular um pouco.
Paradoxos- sou e não sou/ quem sou?
Poemografia - pergunto-me: que conterá a grafia do poema?
Perfuro a casca do amendoim mais um bocadinho e...
Fragmentos... de alma/estilhaços
Respiração- soltam-se os fragmentos que azedavam a pulsação
e finalmente a Respiração- solto-me.
Hoje a minha forma de expressão é a poética, o alimento da minha alma e do meu prazer.
Beijinho

Mar Arável disse...

No sacudir das cascas

está a rima

Dry Neres disse...

Saudade de conversar com o melhor poeta de todos os tempos... Beijos paradoxais, amigo!

Anónimo disse...

A poem should be palpable and mute
As a globed fruit

Dumb
As old medallions to the thumb

Silent as the sleeve-worn stone
Of casement ledges where the moss has grown -

A poem should be wordless
As the flight of birds

A poem should be motionless in time
As the moon climbs

Leaving, as the moon releases
Twig by twig the night-entangled trees,

Leaving, as the moon behind the winter leaves,
Memory by memory the mind -

A poem should be motionless in time
As the moon climbs

A poem should be equal to:
Not true

For all the history of grief
An empty doorway and a maple leaf

For love
The leaning grasses and two lights above the sea -

A poem should not mean
But be

Archibald MacLeish

isto é poética, a poesia que é e não a que significa

;)

Sei Lá

Pena disse...

Oh, Estimado Amigo:
És enorme. Um gigante.
Abraço

pena

Adorei.
Bem-Hajas, por tudo. Tudo mesmo.
MUITO OBRIGADO, admirável amigo.

Sandra disse...

Agradeço oseu carinho e sua vinda.

Curiosa está comemorando
Agradeço a sua companhia e visita. Agora conquistante mais um selinho. 121 mil visitas. Lhe ofereço com muito carinho.
Amigos são como Você, são para sempre! SÃO ETERNOS.
muito obrigada por estar junto comigo nesta comemoração.Estou muito feliz.Sei que fazes parte deste Jardim.
És minha flor mais preciosa. cheia de perfume e cor. Obrigada.
Carinhosamente,
Sandra

Mel disse...

A poesia pode ser assim... um amendoim... com necessidade de olhar por fora, mas depois descascar, saborear o interior... encontrar o que está além do significado primeiro...

Nós do blog disse...

SAUDAÇÕES!

Pérola disse...

Vim te visitar por indicação da Pat,gostei do que vi meu querido.
Pessoas sensíveis,poemas maravilhosos.
Volto com mais tempo para apreciar melhor,estou na correria.
Abraços carinhosos.
Adoro amendoim rs.

Nós do blog disse...

FORMIDÁVEL!

VISITA-NOS.

JOE ANT disse...

Edu,
Passei para deixar os meus votos de
*** FELIZ NATAL e BOM ANO NOVO ***
para você e todos os seus.
...
Continue "paradoxando" com carinho e amor.

Vieira Calado disse...

Olá, amigo!

Hoje e simplesmente para desejar

Bom Natal

a si e aos seus!

Saudações poéticas

Daniel Savio disse...

Talvez as palavras seja o alimento da alma, pelo menos assim ouvi dizer (já que atualmente temos fica cada vez mais materialistas)...

Fique com Deus, menino Edu.
Um abraço.