quarta-feira, 15 de junho de 2011

Levantei-me tentando afastar o sono do rosto com as mãos. O corpo cambaleante, vagaroso. Que horas são? Dei uma olhadela no relógio. Faltam 360 graus de poesia para a vida começar. Seja como for, ainda é cedo. Descalcei o tapete por baixo dos pés e dirige-me à cozinha. Passei o rascunho a limpo no lava-loiça. Esfreguei-lhe as sílabas até ficarem quase tónicas. O que aconteceu? Aparentemente, nada. Quando o vazio flutua à tona das palavras o melhor é abrandar a escrita para que os sentimentos não se sujem com pautas de silêncio.
Coloquei a folha em cima da mesa. Deixei-me estar à beira do texto em vez de sacudir a imaginação. Se conseguíssemos domar o vento, talvez fosse fácil roubar do mundo a eternidade e distribuí-la às borboletas. E depois? Depois andaríamos de máquina fotográfica ao ombro como se o poema, enfim, fosse um lugar fotografável, no qual pudéssemos captar mais qualquer coisa além da realidade.
Dirijo-me à janela. Isto é, abro a palavra na ânsia de me arejar por dentro. Avanço em direcção às margens sem olhar para os lados. Avanço com vontade de arregaçar as mangas e mergulhar Tejo a dentro mesmo sabendo que nem todos os rios sabem nadar. Avanço de versículo em versículo disposto a aceitar a vida, instante que nos convida a ser felizes, embora sejamos infinitamente provisórios. Avanço tentando pendurar a voz na corda vocal mais perto da língua, pois cansei-me por descarregar frases sinuosas sobre pedras como se a poesia fosse apenas uma grande mala carregada de cansaço.
Cheguei. Agora, deixem-me terminar o poema, não sei por onde começar. Mas que poema? Que palavra? Que caminho é esse que nos faz andar de um beijo para o outro à procura de um abraço? Pode lá ser poesia uma coisas destas!

22 comentários:

OutrosEncantos disse...

sim! que caminho é esse?!...

a poesia sempre está aqui, repousando numa pedra, mordiscando num fruto, desenhada na areia, bordada numa manta e nestas páginas de prosas poéticas fantásticas com que nos presenteias... :))

está aqui a poesia!... e também o meu beijo à espera de um abraço :)

adoro ler-te, moço :)

Phwo disse...

(Des)organizei-me da ronda habitual e corri pelas palavras até ter o prazer de ser .... a segunda. Chego sempre tão na letra 'Z'...
Hoje foi o dia 'B'.
Abraço
;-)

Dry Neres disse...

"Se conseguíssemos domar o vento, talvez fosse fácil roubar do mundo a eternidade e distribuí-la às borboletas.E depois"?

E depois poeta... eu morro de saudade de trocar poesia com você... E depois... eu me sinto privilegiada por poder ler algo tão profundo e tão eu...

Amo-te sempre... amo desesperadamente a sua poesia!

Beijos de fascínio!

Nanda Assis disse...

coloquei minha leitura em dia, e amei, cada palavra, q busco dar sentido nas coisas q escreve. vc é fera. adoroooo.

bjos...

Pena disse...

Admirável e Fabuloso Amigo:
"...Quando o vazio flutua à tona das palavras o melhor é abrandar a escrita para que os sentimentos não se sujem com pautas de silêncio..."

Um Post soberbo e extraordinário.
A forma sublime do seu sentir fora do tempo visível. Pararia o tempo para ler a pureza bela que sai de si e do seu sentir magestoso.
Sublime e perfeito.
Faz o que muito bem entende com as palavras. São de sonho.
Parabéns sinceros pela sua magia alucinante e mágica quando escreve. São Posts de excelência.
MUITO OBRIGADO pela amizade que me honra.
Com respeito e fascínio pelo seu gigantesco talento ímpar.
Sempre a admirar o que concebe de beleza imensa que maravilha.

pena

Fico-lhe grato.
O meu extraordinário amigo é magestoso e fantástico em tudo o que concebe de deslumbrar.
Bem-Haja, notável amigo.
Adorei.
A sua escrita divinal coloca-nos no seu mundo precioso e inigualável. Fantástico e digno de atenção.

Maria Dias disse...

Quanto tempo sem passar os olhos em teu santuário...rs... Bem e por acidente apaguei todos os amigos da minha listinha e por isso sumi daqui(pois nao tinha mais as janelinhas para cá)agora mesmo vou colar seu endereço para voltar.

Beijos

Maria

P.s.Como vc deve ter lido, o Avesso passa um tempo sem transbordar mas empresto minhas páginas aos amigos até q eu volte.Entao apareça sempre q puder.

Maria Dias disse...

Isso é o teu interior q faz ondas em você...Aproveita!

Beijinhos

lita duarte disse...

Oiiiiiii.

Bom te ver por lá.:)

Beijos.

Priscila Mondschein disse...

Adorei, Heduardo! Parabéns pelo poema!

Abraços...

Lara Amaral disse...

A mala de poesia tem um certo carregamento de cansaço, mas o verso que sempre surge já renova o poeta, e sua mala, sem peso, o carrega por essa estrada sem fim.

Beijo!

Ps.: Pensa na minha alegria com o seu comentário no meu blog. =)

Areia às Ondas disse...

O que dizer? :)
Sinto-me vestida e agasalhada nas tuas palavras. beijo.

ღPat. Rochaღ disse...

Ler-te... que sensação maravilhosa!!!!!!!!

Poeta de encanto maior! meu beijo e abraço com todo carinho.

P.S.: Agora pensa numa alegria duplicada!? ;) mas espera! terás mais... (copiando L.Amaral)

Justine disse...

Como domar o vento de subversão que me toma ante a surpresa do teu texto? Abracinho

BIA disse...

Olá.
Temos aqui um poeta!:)

Anónimo disse...

Eu não tenho filosofia: tenho sentidos…
Se falo na Natureza e de mulheres não é porque saiba o que ela é, a mulher é isso mesmo um paradoxo.
Mas porque as amo, e amo-as por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem por que ama, nem o que é amar…

Rasgos de Insanidade disse...

Um amigo uma vez disse-me que é como ser um mar de sal, sem água.
Eu cá acho que é ser mar com e sem sal, com tudo e com nada.
É andar de olhos fechados e ver por dentro o mundo como quem bebe água da fonte fresca do pensamento; porque como dizia o Fernando Pessoa "sinto com o pensamento".

É sempre um prazer vir aqui lavar a alma e o pensamento.
Merci! :)

sonjita disse...

Fico sem palavras quando te leio :)

Graça disse...

Já não são precisas palavras para te comentar... é no silêncio que te admiro, meu querido 'fazedor' de palavras únicas e belas.


Beijo nosso, sempre.

... disse...

Este poema li e senti-o. Comentar? Não...
Quero que ele fique tal e qual como o decifrei em mim.

extraordinário.

jardinsdeLaura disse...

Acabei de ler um excelente texto! De um surrealismo brilhante, polvilhado de um humor quase tímido e que me trouxe à memória o génio de Boris Vian na "Espuma dos dias"! Obrigada pela partilha!

Vanessa disse...

E que caminho é esse? Que procuro o abraço, invés do beijo, para completar o poema que na vida foi escrito.

Beijos e boa semana.

Pastelaria disse...

Olá Heduardo

Antes de mais , parabéns pelo Blogue...! Gostei do que vi

Gostaríamos muito que desse uma vista de olhos no projecto DVB, de saber a sua opinião, e qual o interesse em desenvolver o seu trabalho neste novo formato.

\"Transformamos\" os seus trabalhos (já editados em livro, ou não ...), num DVB- Digital Video Book, uma ideia original da Pastelaria Studios Productions

O projecto é recente, é uma inovação, tal como explicamos no nosso blogue:

http://pastelariaestudios.blogspot.com/

É exactamente isso, os seus poemas seriam "transformados" num DVB . Um livro que se vê como um filme ( com menu , extras, biografia, capítulos, etc... )

Não somos uma editora e prestamos essencialmente um serviço criativo.

A minha sugestão seria, enviar-nos os seus \"registos\", e nós faremos um orçamento.

Posso adiantar que, por ser um projecto novo e, embora o trabalho criativo (audio, voz, imagem, construção do DVB, etc) seja bastante, queremos chegar ao maior número de autores de obras escritas, mesmo que essas estejam (ainda...) na gaveta .

Realizamos e produzimos, também , Audio Book s

Fico a aguardar uma resposta e, qualquer dúvida… estamos por aqui.

A sua opinião é muito importante para nós, pois só assim conseguiremos crescer e melhorar sempre ! e.... porque não, arriscar ?!

Sem compromisso, escolha um dos seus poemas ou textos … e nós realizamos uma pequena amostra do nosso trabalho, é um presente nosso …para si …. :)

Um grande abraço desde aqui

Teresa Maria Queiroz

pastelariaestudios@gmail.com